Notícias
Compartilhar

“Creio que a ideia arendtiana de que a condição da política é a pluralidade humana já reconfigura toda a nossa concepção política atual”, diz a especialista Crislei Oliveira

Dando continuidade às Terças Insurgentes, formações que abordam teorias de grandes pensadoras e pensadores, o mês de maio no Centro de Formação: Educação Popular, Cultura e Direitos Humanos apresenta o curso sobre Hannah Arendt, através da voz da especialista Crislei de Oliveira Custódio. Essa formação pretende esquadrinhar o modo como Hannah Arendt desenvolve de forma peculiar um arcabouço teórico indispensável para a compreensão das relações na modernidade, ao pensar a ascensão da esfera social e a vitória do animal laborans como características do mundo moderno em que os ditames do consumo e da produção, a negação da política como forma humana de tratar os assuntos que concernem a todos e sua substituição pela lógica da burocracia e da administração estatal, assim como a alienação do mundo e a recusa do pensar e do julgar são marcas do contemporâneo.

 

Numa perspectiva panorâmica, mas que visa oferecer instrumentos analíticos para a apreensão e tentativa de compreensão de parte dos fenômenos políticos atuais, o curso perpassa e seleciona obras importantes da autora que vão dos seus escritos políticos àqueles que dizem respeito às atividades do espírito, encerrando com uma ampla discussão acerca das aporias do educar em tempos sombrios e em um mundo deserto.

 

Licenciada em Pedagogia, mestre e doutora em educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, Crislei foi professora e coordenadora pedagógica na rede municipal de São Bernardo do Campo e hoje atua na área de formação de professores, assessoria pedagógica e na docência universitária. Atualmente é docente da Faculdade de Educação da USP, formadora do Instituto Vladimir Herzog e membro do Grupo de Pesquisa sobre Educação e o Pensamento Contemporâneo, ligado ao Departamento de Filosofia da Educação e Ciências da Educação da Faculdade de Educação da USP (GEEPC/FE-USP). É organizadora da coletânea “Hannah Arendt: a crise na educação e o mundo moderno”, publicado pela editora Intermeios em 2017.

Confira a entrevista com Crislei sobre o pensamento de Hannah Arendt:

1. No que consiste, primordialmente, os principais pontos do pensamento de Hannah Arendt?

Arendt é uma pensadora política que se dedicou a compreender a crise do mundo moderno e os efeitos da ascensão do totalitarismo e da esfera social em nossos tempos. Diante de tempos sombrios e face à banalidade do mal, Arendt também se dispôs a pensar sobre a dignidade da política e a ética em situações de crise.

 

2. Por que podemos considerar o pensamento de Hannah Arendt insurgente?

Porque Arendt não é uma autora classificável dentro das categorias mais clássicas da filosofia política. Aliás, ela mesma dizia-se não filósofa e, ao longo da vida, teve que responder aos liberais porque não poderia ser enquadrada como uma marxista, e aos marxistas porque não poderia ser chamada de liberal. Seu pensamento é único e, tal como ela mesma define em sua obra, trata-se da busca de compreensão por meio de um pensar sem corrimão.

 

3. Como o pensamento de Hannah Arendt pode colaborar para entendermos a atualidade e agirmos sobre ela?

A análise de Arendt sobre o fenômeno do totalitarismo e sobre os elementos totalitários que permanecem entre nós, assim como sua reflexão sobre o preconceito da política e sobre a banalidade do mal são cruciais para interrogarmos a atualidade e nos debruçarmos na compreensão do cenário que temos na contemporaneidade, principalmente no Brasil.

 

4. Com que agendas e movimentos sociais o pensamento de Hannah Arendt dialoga?   

Creio que a ideia arendtiana de que a condição da política é a pluralidade humana já reconfigura toda a nossa concepção política atual, a qual concebe os assuntos humanos como gestão estatal e sob os ditames da economia. Assim, embora a autora não pense a política num viés identitário e/ou de cunho social, suas reflexões sobre a potência da ação política dialogam com nossas principais agendas.

 

Para se inscrever no curso, acesse: www.centrodeformacao.acaoeducativa.org.br
Comentários: