Notícias
Compartilhar

Estéticas das Periferias 2019: Centro

Ciclo de debates no Centro de Pesquisa e Formação do SESC 

Tema: Ensino de arte nas periferias
Comumente chamado/a de oficineiro/a, o/a educador/a de arte é um agente cultural da maior importância no contexto da cultura periférica. Discutir seu perfil, tipo de formação, metodologias, demandas, expectativas e desafios desse/a educador/a, é o objetivo do ciclo de debates que a Ação Educativa propõe para o Encontro Estéticas das Periferias 2019 em parceria com o CPF/SESC.

Mesa 1 – 27/08 – Ensino de arte em ONGs e movimentos culturais
Há um número crescente de ONGs que se instalaram nas periferias para desenvolver projetos sociais nas comunidades, especialmente com arte. Várias são conveniados com a Prefeitura, como CCAs – Centros da Criança e Adolescente e Centros de Juventude. Outras atuam de forma independente. Alguns grupos artísticos se institucionalizaram, abriram sedes e oferecem formação em arte, além das apresentações artísticas. Há também as ocupações culturais que resistem e fortalecem vínculos com a comunidade por meio da oferta de cursos e oficinas de arte. Quem são os educadores que atuam nessas organizações? Há regulamentação e garantias trabalhistas? É trabalho voluntário ou ativismo? O certificado de formação é dado por quem? A incerteza e descontinuidade são a lógica que rege a atuação do educador de arte nesse contexto?

Debatedores/as: Didi Carvalho (Cedeca Sapopemba) e Dessa Souza (Espaço CITA – Campo Limpo). Mediação: Fernanda Nascimento (Ação Educativa).

Mesa 2, 28/08 – Ensino de Arte na Medida Socioeducativa
Cerca de 90% dos adolescentes que cumprem medida socioeducativa são da periferia. Quase 10 mil deles estão na Capital, seja no regime de internação, liberdade assistida ou prestação de serviço à comunidade. Especialmente na internação é assegurado o acesso à formação em arte. Em alguns dos 60 centros de atendimento de meio aberto são oferecidas oficinas nas diferentes linguagens artísticas. O ensino de arte é uma forma de conhecimento e expressão que requer a liberdade para se concretizar. Como praticá-lo para quem dela está privado? Qual o perfil desse educador, o tipo de formação que ele requer e os desafios que são colocados diariamente para quem atua com adolescentes em conflito com a lei?

Debatedores/as: Manulo Sauro (CEFRAS – SMSE do Jaçanã) e Vitor Luiz da Silva Santos (Ação Educativa). Mediação: Rubia RPW (Ação Educativa).

Mesa 3 – 29/08 – Ensino de arte em programas governamentais
A Prefeitura de São Paulo promove o ensino de arte nas periferias por meio dos programas PIA – Programa de Iniciação Artística e do Vocacional. Para isso contrata centenas de educadores que atuam em espaços culturais da Secretaria Municipal de Cultura e nos CEUs. Já o Governo do Estado mantém 10 Fábricas de Cultura, todas nas periferias e algumas Oficinas Culturais, mobilizando mais de 200 profissionais. Ter o governo como contratante dá mais segurança ao educador? E as terceirizações? Como é fazer parte de uma política pública? É um segmento mais disputado e de melhor remuneração? 

Debatedores/as:  Bonga Mac (Fábrica de Cultura da Brasilândia) e Mara Helleno (Vocacional/ SMC – Prefeitura de São Paulo). Mediação: Bergman de Paula (Ação Educativa).

Data: 27, 28 e 29/08, das 17h às 19h
Local: Centro de Pesquisa e Formação do Sesc (R. Dr. Plínio Barreto, 285 – 4º andar – Bela Vista, São Paulo/SP).


SESC Parque Dom Pedro II

Conexão Mulheres: Elas cantam e contam suas histórias
O espetáculo teatral ancestral “Abayomi A Primeira Boneca de Pano do Mundo” foi escrito pela dramaturga Wanessa Sabbath, baseado em vivências, pesquisas e no livro “Um Defeito de Cor”, de Ana Maria Gonçalves. A história conta porque abayomi é um símbolo da luta por liberdade e resistência da primeira boneca de pano do mundo, que renasceu nos navios negreiros e atravessou o período colonial resistindo como o amuleto ancestral africano, símbolo de amor e referência para todas as famílias afro-brasileiras.

O projeto “Mulher escrita” explora as relações entre a mulher e a música, em especial com a arte de compor, conhecendo e difundindo o trabalho das compositoras em São Paulo. Em cada encontro, uma compositora (no mínimo) é convidada a compartilhar com o público suas composições e experiências de vida. Mediando a conversa, Maria Helena Britto, embaixatriz do samba paulistano. Dando apoio musical e também fazendo perguntas às convidadas, a roda de samba feminista Sambadas.
Data: 31/08, 12h30
Local: SESC Parque Dom Pedro II (Praça São Vito, s/nº – Brás, São Paulo/SP).


Centro Cultural Olido

O que cantaram e o que cantamos? Roda de samba e conversa com mulheres
Esse encontro propõe a reflexão através das letras dos sambas, utilizadas como ferramentas de conscientização a respeito da violência contra a mulher, machismo, racismo e desigualdade de gênero. Também propõe incentivar e incluir cada vez mais a participação da mulher no samba com a suas composições e sendo a voz que retrata o seu dia dia.

Participam do debate, Clodd Dias, poeta, artista de teatro e cinema, integrante das “Amigas do Samba”; Hosana Meira, ativista do movimento negro e feminista, formada em Ciências Sociais, é integrante do coletivo Samba de “Terreiro de Mauá” e do Bloco de Samba “Pega o Lenço e Vai”, em que é a Porta Estandarte; Raquel Freitas, compositora e integrante do movimento cultural “Terreiro de Compositores” e do Bloco do “Pequeno Burguês”. Mediação: Sharylaine Bakhita, rapper, arte-educadora, intérprete de samba enredo e integrante das “Amigas do Samba”. O samba fica por conta do grupo “Amigas do Samba”.
Data: 30/08, 20h
Local: Centro Cultural Olido (Av. São João, 473 – Centro Histórico de São Paulo, São Paulo/SP).


Ocupação Casa Amarela

Monólogo Teatral e Oficina da Boneca de Pano Ancestral Africana
O espetáculo teatral ancestral “Abayomi A Primeira Boneca de Pano do Mundo” foi escrito pela dramaturga Wanessa Sabbath, baseado em vivências, pesquisas e no livro “Um Defeito de Cor”, de Ana Maria Gonçalves. A história conta porque abayomi é um símbolo da luta por liberdade e resistência da primeira boneca de pano do mundo, que renasceu nos navios negreiros e atravessou o período colonial resistindo como o amuleto ancestral africano, símbolo de amor e referência para todas as famílias afro-brasileiras. Além da apresentação, o público é convidado a confeccionar a boneca de pano africana.
Data: 25/08, 16h
Local: Ocupação Casa Amarela (Rua Visconde de Ouro Preto, 186. Com a Rua da Consolação, 1075, São Paulo/SP).


Casa das Rosas

Como publicar seu livro: do impresso ao virtual
O centro de apoio ao escritor da Casa das Rosas, em parceria com o Encontro Estéticas das Periferias, realiza este workshop que visa dar um panorama do processo de edição, da concepção do original até a impressão ou edição virtual, passando pelo projeto gráfico e pela relação dos autores com as editoras.
Data: 28/08 às 15h
Local: Casa das Rosas (Av. Paulista, 37 – Bela Vista, São Paulo/SP).

Batalha dos Slams
Pelo terceiro ano consecutivo, a Casa das Rosas recebe esse importante campeonato, que envolve algumas das melhores equipes dos diversos slams das periferias de São Paulo. A curadoria e o comando do evento ficam por conta de Emerson Alcalde, referência no slam nacional. Serão 14 grupos: 7 na sexta e mais 7 no sábado. Cada grupo apresentará três poemas, sem eliminação por rodada. As notas serão somadas e os três melhores colocados de cada chave passarão para final, que será realizada no Instituto Moreira Salles.
Data: 30/08, das 19h às 21h30; 31/08, das 17h às 20h
Local: Casa das Rosas (Av. Paulista, 37 – Bela Vista, São Paulo/SP).

Encontro de editoras e selos editoriais da periferia
A periferia de São Paulo se notabilizou pela cultura pujante e criativa, que se tornou mais visível desde os anos 2000. A literatura é um dos principais destaques dessa cena. Por meio dos saraus e, posteriormente, pelos slams, inúmeros poetas se lançaram em carreiras literárias. Para assegurar a publicação desses autores, eles próprios criaram suas editoras, muitas delas impulsionadas por editais públicos. O Encontro Estéticas das Periferias fará o primeiro encontro dessas editoras e com isso pretende ressaltar essa nova fase da produção literária periférica que encontrou seus próprios meios de publicação. Participação de cerca de 20 empreendimentos editoriais.
Data: 31/08 e 01/09, das 14h às 19h
Local: Casa das Rosas (Av. Paulista, 37 – Bela Vista, São Paulo/SP).

Roda de Conversa: Como editar e distribuir livros nas periferias
Participam do debate a educadora e poetisa Maria Vilani (Capsianos – Selo Editorial do Centro de Arte e Promoção Social), o escritor Marciano Ventura (Ciclo Contínuo Editorial) e o escritor PC Marciano (Editora e Gráfica Heliópolis). A discussão gira em torno da nova fase da produção literária periférica que encontrou seus próprios meios de publicação.
Data: 01/09, das 15h às 17h
Local: Casa das Rosas (Av. Paulista, 37 – Bela Vista, São Paulo/SP).


Ação Educativa

Rolezinho Bicha Nagô | Estéticas das Periferias

O projeto online Bicha Nagô ocupa o Estéticas das Periferias e promove um rolezinho no Espaço Cultural Periferia no Centro. A festa-ocupação chega com uma versão pocket do Transarau, discotecagem da Dj Evehive e apresentação da rapper Monna Brutal, tudo sob o comando da performer e multiartista, Aretha Sadick.

Data: 29/08, 18h
Local: Ação Educativa – Espaço Cultural Periferia no Centro (Rua General Jardim, 660 – Vila Buarque, São Paulo/SP).

Bloco Carnavalesco: “ A Era de Aquarius vai começar”
O grupo Conselho do Samba irá apresentar seu tema-enredo para o Carnaval 2020. Além de um show com alguns sambas tradicionais, o evento será finalizado com uma homenagem a Marielle Franco, que foi tema do bloco em 2019. Durante o evento, haverá ainda um debate com a participação da comunidade sobre o porquê da escolha do tema e o momento político do país, bem como a venda de produtos, relativos ao samba e ao carnaval em conjunto com a Boutique do Carnaval SP.
Data: 30/08, 19h
Local: Ação Educativa – Espaço Cultural Periferia no Centro (Rua General Jardim, 660 – Vila Buarque, São Paulo/SP).


Museu do Futebol

Futebol para todxs
Ação Educativa, Museu do Futebol e Rede Paulista de Futebol de Rua promovem mais um Encontro na Praça Charles Miller, em frente o Pacaembu. O Estéticas das Periferias reúne 16 equipes mistas que praticam a metodologia do Futebol de Rua para um grande torneio, que tem como objetivo celebrar a igualdade de gênero e o protagonismo juvenil.
Data: 31/08, 10h
Local: Museu do Futebol (Praça Charles Miller, s/nº – Pacaembu, São Paulo/SP).


IMS – Instituto Moreira Salles

Periferia e mercado editorial
As poetas Ryane Leão e Mel Duarte falam sobre como se tornaram expoentes da cultura.
Data: 29/08, 19h30
Local: Instituto Moreira Salles (Av. Paulista, 2424, Cerqueira César, São Paulo/SP).

Jazz na Kombi
Criado para levar o jazz para às ruas da cidade, o projeto ocupa espaços públicos com uma kombi que serve de palco para as apresentações de grupos. A kombi estacionará na praça localizada no 5º andar do IMS Paulista para receber o Sintia Piccin Quinteto.
Data: 31/08, 17h
Local: Instituto Moreira Salles (Av. Paulista, 2424, Cerqueira César, São Paulo/SP).

Aberto da Exposição QUEBRADA: São Paulo na visão dos Cria
A Ação Educativa em meio ao Festival Estéticas das Periferias em parceria com o Instituto Moreira Salles convidou nove jovens, egressos de serviço de medida socioeducativa e de várias periferias paulistas para uma formação em fotografia de 30 horas. Entre retratos, paisagens e cotidiano, os jovens mostram a simplicidade de um povo imerso em desigualdade social, mas que escreve sua própria história em suas diversas formas de saber, identificando os que antecedem e cuidando daqueles que estão ao redor.
Data: 31/08, 14h
Local: Instituto Moreira Salles (Av. Paulista, 2424, Cerqueira César, São Paulo/SP).

III Torneio dos Slams – Etapa Final
Com curadoria de Emerson Alcalde, o evento reúne 14 comunidades de slam para se apresentare, coletivamente como num campeonato, mostrando um panorama da produção periférica da poesia falada.
Data: 01/09, 15h
Local: Instituto Moreira Salles (Av. Paulista, 2424, Cerqueira César, São Paulo/SP).


3º Festival da Cultura da PUC SP

Abertura 3º Festival da Cultura da PUC SP, com Estéticas das Periferias
19h45: Slam com Lucas Afonso
20h15: Roda de Conversa Cultura Insurgente, com Bruno Ramos (Liga do Funk), Dina Alves (Doutoranda PUC-SP), Erika Hilton (Bancada Ativista), Priscila Arantes (PUC-SP e Paço das Artes), Regina Pacheco (Secretária adjunta da Secretaria Municipal de Cultura). Mediação: Rita Alvez (PUC-SP).
21h30: Timeline do Passinho com Severo IDD e Alê

Data: 26/08, 19h
Local: PUC SP – Campus Monte Alegre (R. Monte Alegre, 984 – Perdizes, São Paulo/SP).

 

Comentários: