Notícias
Compartilhar

Centro de Formação abre inscrições para curso sobre pensamento de bell hooks

A formação acontece entre os dias 16 de novembro e 13 de dezembro e as vagas são limitadas

A edição online do curso Teoria é cura: o pensamento insurgente de bell hooks é composta por quatro módulos semanais, com videoaulas e materiais complementares. Teremos fóruns de discussão e três webinários, ao longo do curso, para trocas ao vivo com a formadora e entre os participantes. 

Desde a década de 1980, a feminista negra estadunidense bell hooks tem produzido uma vasta obra cujas análises, de forma recorrente, abordam críticas culturais e pedagógicas, amor e espiritualidade, denúncias do imperialismo econômico e da supremacia branca. Com um estilo narrativo insurgente, os trabalhos de bell hooks tornaram-se referências incontornáveis para compreensão de como as dinâmicas de raça, classe e gênero expressam-se nas práticas culturais, acadêmicas, subjetivas e cotidianas. 

O objetivo do curso é discutir os principais conceitos presentes nas obras da autora, especialmente aquelas publicadas entre os anos 1980 o início dos anos 2000. Para tanto, situaremos sua produção no contexto de emergência dos feminismos negros estadunidense e da América Latina. Na sequência, será abordado como experiência e teoria são indissociáveis em sua narrativa, cuja abordagem sugere uma ética/estética feminista que envolve a coragem da verdade. Em termos conceituais, serão discutidos noções como supremacia branca, negritude como commodity, subjetividade negra radical, autorrecuperação, amor, espiritualidade e autoestima. Confira as temáticas dos módulos:

Módulo 1 – Tornar-se bell hooks: aspectos biográficos, históricos e temáticos.
Módulo 2 – Teoria é cura: voz e autorrecuperação em bell hooks.
Módulo 3 – Crítica cultural: descolonizar o olhar e o desejo.
Módulo 4 – Crítica a subjetividade capitalista: espiritualidade, amor e autoestima.

Datas: de 16/11 a 13/12 (os módulos serão liberados semanalmente e podem ser assistidos de acordo com a disponibilidade de cada participante)
Webinários: 16/11, 30/11 e 07/12, das 19h às 21h, via plataforma Zoom
Investimento: R$150,00*
Inscrições: www.ead.acaoeducativa.org.br

*O Centro de Formação tem uma política de bolsas. Para solicitar, é só acessar o site www.ead.acaoeducativa.org.br, preencher o formulário de cadastro, marcando a opção de solicitação de bolsas. Analisaremos as respostas e entraremos em contato.

Sobre a formadora

Mariléa de Almeida doutorou-se em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) com a tese “Territórios de afetos: práticas femininas antirracistas nos quilombos contemporâneos do Rio de Janeiro”. Em 2015, realizou pesquisas na Universidade de Columbia, em Nova York, enfocando as experiências teóricas interseccionais dos feminismos negros estadunidenses entre as décadas de 1980 e 1990. É integrante do grupo de pesquisa Gênero, experiência e subjetividade, da Unicamp, e do Laboratório de estudos das relações de gênero, masculinidade e transgêneros (LabQueer) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). É autora do prefácio da edição brasileira do livro “Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra”, da feminista estadunidense bell hooks, publicado pela editora Elefante.

Sobre o Centro de Formação

O Centro de Formação: Educação Popular, Cultura e Direitos Humanos é uma iniciativa que visa oferecer uma programação anual de atividades formativas como parte de uma estratégia institucional da Ação Educativa de resistência aos retrocessos no campo dos direitos e da ordem democrática que se intensificaram no Brasil a partir de 2016. Em aliança com várias universidades, organizações da sociedade civil, movimentos sociais, a partir de 2018, passamos a oferecer uma programação regular de atividades que podem ser acessadas por nossa política de financiamento solidário.

Já oferecemos mais de 80 atividades formativas presenciais ao longo dos dois últimos anos, em uma rede com cerca de 200 educadores/as. A partir deste semestre, iniciamos uma nova fase de formações. A Ação Educativa entende que este momento de reposicionamento do Centro de Formação anuncia uma nova fase, com o objetivo de alcançar lugares e pessoas que ainda não conhecem nosso trabalho, mas que têm os mais variados interesses e inserções no campo dos direitos humanos. Nossa perspectiva é construir uma abordagem da educação a distância com base nos princípios e acúmulos da educação popular em direitos humanos.

Comentários: